20 Jul

Censo 2010: Rio Grande do Sul também passa por envelhencimento populacional

Em análise realizada por pesquisadores do Observatório das Metrópoles, do núcleo de Porto Alegre e da Fundação de Economia e Estatística/RS, baseada nos dados divulgados até o momento pelo Censo 2010, verificou-se importantes mudanças no perfil demográfico do estado do Rio Grande do Sul, com destaque para o aumento da proporção da população de 45 a 64 e da população de 65 anos e mais.

Destaque também para a diminuição das crianças, jovens e adultos jovens (até os 44 anos). Mas foram as crianças de zero a quatro anos que mais diminuíram o peso na proporção de população no Estado. De fato, o índice de idosos subiu de 27,61% em 2000 para 44,61% em 2010. Essa é uma mudança muito significativa na estrutura demográfica gaúcha. Especialmente se levarmos em consideração que essa mudança atingiu tanto os homens como as mulheres.

Índice de envelhecimento

A tendência verificada na distribuição da população por faixas etárias se confirma quando se observa o índice de idosos, que mede a proporção entre o número de pessoas com mais de 65 anos de idade e o número de jovens abaixo de 15 anos de idade, de modo que, quanto mais elevado o índice, maior é o envelhecimento da população. Pois bem: no Rio Grande do Sul esse índice aumentou de modo muito significativo.

As regiões onde o aumento no índice de envelhecimento da população total foi mais elevado são a Noroeste e a Centro Ocidental (na primeira a diferença em pontos percentuais foi de 22,34 e na segunda foi de 20,89). Mas o índice de envelhecimento não ocorre igualmente entre homens e mulheres. Os índices das mulheres são mais elevados que os dos homens. Em média, no Estado, enquanto o aumento desse índice foi de 20,16 pontos percentuais, o dos homens foi de 13,95 pontos percentuais. E as mulheres tendem a envelhecer mais na mesorregião Noroeste, Centro Ocidental e Centro Oriental, justamente nas regiões menos urbanizadas.

Já na mesorregião metropolitana, tanto os homens como as mulheres apresentaram os menores índices de envelhecimento. Ao que tudo indica, quanto maior a urbanização menor a probabilidade de longevidade. Na RMPA o índice de envelhecimento na periferia é bem menor do que no pólo, com vantagem para as mulheres, tendo aumentado de 47,69 em 2000 para 72,65 em 2010. Como se sabe, é na periferia metropolitana onde estão situados os municípios onde é maior a pobreza. Então se pode dizer que dois fatores contribuem para a menor longevidade: urbanização intensa e pobreza.  Por outro lado, convém destacar que o RS se mantém predominantemente feminino, com diminuição, inclusive, da proporção de população masculina em 2010 frente a 2000.

Acesse a análise na íntegra aqui.

 

O laboratório da Coordenação Nacional da Rede INCT Observatório das Metrópoles está temporariamente fechado, por conta do incêndio ocorrido, no começo de outubro, no Prédio da Reitoria da UFRJ.

Pedimos que os contatos sejam realizados pelos seguintes e-mails:

Elizabeth Alves
beth@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos administrativos

Karol de Souza
karol@observatoriodasmetropoles.net

Assessoria de Comunicação

Breno Procópio
comunicacao@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos Acadêmicos

Juciano Rodrigues
juciano@observatoriodasmetropoles.net