Linha II - Dimensão sócio-espacial da Exclusão/Integração nas metrópoles: reprodução das desigualdades e impactos na sociabilidade urbana

Coordenadores: Suzana Pasternak (USP), Luciana Correa do Lago – IPPUR/UFRJ e Luciana Andrade Teixeira PUC-MG.

A hipótese inicial desta linha é que os processos socioespaciais em curso nas metrópoles brasileiras têm enorme importância na compreensão dos mecanismos societários de exclusão e integração, através de seus efeitos sobre a estruturação social, os mecanismos de produção/reprodução de desigualdades e as relações de interação e sociabilidade entre os grupos e classes sociais. Tais processos sócio-espaciais são conceituados nesta linha como diferenciação, segmentação e segregação.

É de supor que os novos fenômenos de diferenciação, segmentação e segregação espaciais, relacionados ao quadro de crise das relações de integração com o mercado de trabalho e ao avanço da modernização cultural, com o conseqüente incentivo ao ethos individualista, interferem significativamente sobre as bases institucionais da manutenção dessa esfera de integração. Dessa forma, altera o “social mix” brasileiro e produz processos de exclusão, cuja manifestação mais visível é a constituição de territórios de grupos desafiliados (CASTEL, 1995) da sociedade e vulnerabilizados quanto às possibilidades de recriar dinâmicas individuais e coletivas de integração. Essa situação se dramatiza, considerada a reversão, ao menos nos 15 últimos anos, de processos virtuosos de mudança, como é o caso das tendências à universalização de alguns setores da política social, notadamente da saúde e da educação, que promovem através do Estado o acesso a certos recursos até então controlados exclusivamente pelos mais ricos e poderosos. Essa promessa de democratização de oportunidades hoje esbarra nas limitações de apropriação real dos grupos sociais em razão dos efeitos anômicos da desestruturação em curso no plano do domicílio e do bairro, que dificultam a reprodução dos laços de reciprocidade historicamente constituídos.

A seguir, apresentamos as sublinhas propostas de acordo com as dimensões identificadas.

II.I Organização social do território das metrópoles - 1980/2010: padrões e evolução

II.II Organização Social do Território e Dinâmicas de Estruturação

II.III Organização social do território das metrópoles e reprodução das desigualdades

II.IV Organização Social do Território e Criminalidade Violenta

II.V Desenvolvimento conceitual e metodológico

II.VI Estudos de Casos

O laboratório da Coordenação Nacional da Rede INCT Observatório das Metrópoles está temporariamente fechado, por conta do incêndio ocorrido, no começo de outubro, no Prédio da Reitoria da UFRJ.

Pedimos que os contatos sejam realizados pelos seguintes e-mails:

Elizabeth Alves
beth@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos administrativos

Karol de Souza
karol@observatoriodasmetropoles.net

Assessoria de Comunicação

Breno Procópio
comunicacao@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos Acadêmicos

Juciano Rodrigues
juciano@observatoriodasmetropoles.net