Observatório é incluído no Programa Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia – INCT/ CNPQ/FAPERJ

A proposta do INCT é substituir o programa dos Institutos do Milênio, ampliando a produção das redes a partir de uma maior participação das fundações estaduais de amparo à pesquisa.O objetivo dos INCTs é ocupar uma posição estratégica  no  Sistema  Nacional  de Ciência e Tecnologia, tanto pela sua característica de ter um foco temático em uma área de conhecimento para desenvolvimento a longo prazo como pela complexidade maior de sua organização e porte de financiamento. Segundo o presidente da FAPERJ, Ruy Garcia Marques, o programa será fundamental para, entre outras finalidades, difundir a pesquisa junto à população. "É essencial lembrarmos que os institutos levarão em conta características como apoio à pesquisa, formação de recursos humanos, integração de universidades e de centros de pesquisa com empresas inovadoras, nas áreas do Sistema Brasileiro de Tecnologia (Sibratec) e, principalmente, a transferência deste conhecimento para a sociedade. Só assim poderemos contribuir para a diminuição das enormes desigualdades sociais e regionais que ainda ocorrem em nosso país", ressaltou.

Passamos a integrar, portanto, o conjunto de 123 centros de excelência em pesquisa do país e teve o seu mérito reconhecido, entre outros, por apresentar:

1) PESQUISA DE EXCELÊNCIA ACADÊMICA COM ALTA PRODUTIVIDADE. Apresentamos a continuidade, expansão e consolidação do Programa em curso INSTITUTO DO MILÊNIO, tendo recebido na avaliação do CNPq o reconhecimento como um dos grupos de pesquisa em rede "....mais bem estruturados do país no que diz respeito aos estudos urbanos. Apresenta uma sólida rede nacional de instituições e pesquisadores de universidades espalhadas por todo o território brasileiro, contribuindo tanto na perspectiva metodológica como em seus resultados para conhecimento de aspectos fundamentais dos processos urbanos em curso em nossa sociedade.” Outros indicadores confirmam a excelência: a) 25 Bolsistas de Produtividade; b) 37 Programas de Pós-Graduação em várias áreas de conhecimento, (oito com nota 6 e dez com nota 5; c) alta produtividade científica cuja avaliação deve ser complementada considerando: publicação ao longo da sua existência de 599 trabalhos no exterior, em anais, capítulos de livros e artigos, o que pode ser comprovado no exame dos CV Lattes dos pesquisadores principais; e, de 19 números semestrais do único periódico científico brasileiro especializado no tema – Cadernos Metrópole – Qualis Nacional A da CAPES.

2) REDE NACIONAL, MULTIDISCIPLINAR E MULTIESCALAR. A forma de apresentação da proposta pode não ter facilitado a apreensão do seu desenho adequado ao caráter diverso e multiescalar da questão metropolitana brasileira, suscitando dúvidas sobre a sua consistência.  São três linhas de pesquisa que articulam os enfoques essenciais à compreensão da problemática metropolitana enquanto campo das Ciências Sociais: Economia/ Território, Sociedade/Território e Política/Território. Um modelo metodológico inovador, desenvolvido ao longo dos 17 anos de existência da Rede, articula estas linhas entre sim e com estudos de caso imprescindíveis ao competente entendimento da complexidade da questão metropolitana.

3) ENFRENTAMENTO DAS DISPARIDADES REGIONAIS EM C,T&I. A trajetória do Observatório narrada na proposta evidencia que reunimos também grupos de pesquisas em consolidação localizados nas grandes regiões do país, promovendo a circulação nacional de competências, experiências e o compartilhamento de base de dados, contribuindo no esforço de rompimento das assimetrias regionais do sistema C,T&I.

4) IMPACTOS E EFEITOS MULTIPLICADORES. Quanto à formação de recursos humanos e a sua absorção como professores, pesquisadores e profissionais é quase impossível documentar tais impactos em razão da enorme quantidade de alunos dos 12 Núcleos da Rede espalhados pelo Brasil, em cursos de especialização, mestrado e doutorado. Entretanto, a leitura dos anexos da proposta evidencia os impactos acadêmicos e profissionais locais onde o Observatório está constituído. Ademais, está evidenciada a nossa relevante contribuição à concretização das metas de Desenvolvimento Nacional e à Inclusão Social, contidas no Plano de Ação em C,T&I, em função na nossa colaboração com os ministérios do Planejamento e das Cidades.

Clique aqui e confira o projeto em português

Para a versão em inglês, clique aqui.
Para maiores detalhes, visite o sitio do CNPQ e da FAPERJ.

O laboratório da Coordenação Nacional da Rede INCT Observatório das Metrópoles está temporariamente fechado, por conta do incêndio ocorrido, no começo de outubro, no Prédio da Reitoria da UFRJ.

Pedimos que os contatos sejam realizados pelos seguintes e-mails:

Elizabeth Alves
beth@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos administrativos

Karol de Souza
karol@observatoriodasmetropoles.net

Assessoria de Comunicação

Breno Procópio
comunicacao@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos Acadêmicos

Juciano Rodrigues
juciano@observatoriodasmetropoles.net