15 Feb
A UERJ e o futuro do Rio de Janeiro
Lido 2999 vezes | Publicado em Notícias | Última modificação em 16-02-2017 13:31:18
 
tamanho do texto reduzir tamanho do texto aumentar tamanho do texto
Qualifique este item
(0 votos)

A Rede INCT Observatório das Metrópoles divulga a carta pública “A UERJ e o Futuro do Rio de Janeiro”, assinada pelos professores Ruy Garcia Marques e Maria Georgina Muniz Washington, reitor e vice-reitora da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. O documento denuncia o sucateamento da universidade por parte do Governo do Estado, com corte de verbas e repasse financeiro. A UERJ é um dos maiores patrimônios do Rio: é a 11ª colocada entre as 195 universidades brasileiras, segundo o ranking da Times Higher Education (2016), e a 20ª entre todas as universidades da América Latina; são cerca de 35 mil alunos na graduação, e mais de 4 mil em cursos de mestrado e doutorado. São também da UERJ unidades de saúde, como o Hospital Universitário Pedro Ernesto, um dos melhores hospitais do Rio, com mais de 500 leitos, 10.000 internações/ano e mais de 180.000 consultas ambulatoriais ano. Por tudo isso, a UERJ deve continuar aberta, forçar o seu fechamento é não pensar no futuro do Rio e do país.

Em meio à crise, a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) adiou pela quinta vez a volta às aulas em comunicado no dia 13 de fevereiro (segunda-feira). Após uma reunião interna, a universidade afirmou que suspenderá o início das atividades até que a pauta da comunidade acadêmica seja atendida pelo governo do estado.

A comunidade acadêmica afirma que são condições básicas para a normalização dos serviços na universidade um calendário de repasses de verbas para a manutenção em geral, com previsão de repasse de cota financeira mensal; um plano de regularização dos pagamentos às empresas terceirizadas (manutenção, infraestrutura, limpeza, segurança, lixo e Restaurante Universitário); e calendário de pagamento de salários, incluindo o décimo terceiro e de bolsas estudantis e demais modalidades.

Segundo nota Asduerj - Associação dos Docentes da UERJ, a situação do financiamento da UERJ se agravou nos dois últimos anos, sendo que atualmente há atrasos sistemáticos no pagamento de bolsas aos estudantes, e “e não se pode desprezar que a UERJ foi a primeira instituição a contar com o sistema de quotas, que hoje abrange mais de 40% dos alunos dessa instituição), o único restaurante universitário encontra-se fechado e não há passe-livre para o transporte”, aponta o texto.

Já em relação aos professores, a Asduerj afirma que os chamados trabalhadores “de carreira” e concursados, cujos contratos com o Estado são estáveis, também vêm enfrentando condições de trabalho cada vez mais precarizadas e desestimuladoras. “Para os professores, o último reajuste linear ocorreu em 2001 (Lei nº 3.649 de 20 de setembro de 2001). A partir dessa data, inúmeros movimentos organizados tiveram curso, incluindo três greves (2006, 2008 e 2012); todavia, tudo o que esses movimentos conseguiram foram algumas mudanças nas carreiras dos dois segmentos (docentes e técnicos), que acabaram conduzindo à quebra da isonomia, à fragmentação entre os trabalhadores, pondo dificuldades adicionais para a unificação de suas lutas”.

No dia 14 de fevereiro de 2017 (terça-feira) foi realizado o evento Ato Viva UERJ, com a participação de políticos, artistas, professores e comunidade acadêmica em apoio a luta da universidade. Veja a seguir vídeos de apoio ao movimento UERJ Resiste.

A seguir a Carta “A UERJ e o futuro do Rio de Janeiro”, assinada pelos professores Ruy Garcia Marques e Maria Georgina Muniz Washington


A Uerj e o Futuro do Rio de Janeiro

A Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), ao longo das suas mais de seis décadas de existência, cresceu e firmou-se como uma das principais universidades do País. Atualmente, é a 11ª colocada em qualidade entre as 195 universidades brasileiras, segundo o ranking da Times Higher Education de 2016, e a 20ª entre todas as universidades da América Latina.

Quando se considera o item “inserção de seus alunos no mercado de trabalho”, a Uerj ocupa o 8º lugar e, no item “produção científica”, ela é a 9ª, segundo o ranking das universidades brasileiras da Folha de São Paulo.

São cerca de 35 mil alunos em seus cursos de graduação, nas modalidades presencial e de ensino a distância, mais de 4 mil em cursos de mestrado e doutorado, cerca de 2 mil em cursos de especialização e 1,1 mil nos ensinos fundamental e médio (Instituto de Aplicação – CAp-Uerj). Além do Campus Maracanã, dispõe-se em 13 unidades externas, constituindo seis campi regionais espalhados pelo Estado do Rio de Janeiro, colaborando com seu desenvolvimento regional.

São também da Uerj unidades de saúde, como o Hospital Universitário Pedro Ernesto (HUPE), a Policlínica Piquet Carneiro (PPC) e a Universidade Aberta da Terceira Idade (UnATI), esta última um importante projeto de extensão, com várias premiações internacionais.

O HUPE é um dos maiores e melhores hospitais do Rio, com mais de 500 leitos, 10.000 internações/ano e mais de 180.000 consultas ambulatoriais especializadas/ano. A PPC é responsável por mais de 200.000 consultas/ano e cerca de 8.000 cirurgias ambulatoriais/ano.

Fica clara, portanto, a importância da Uerj no cenário educacional de nosso Estado, bem como seu impacto positivo para a nossa economia, preparando recursos humanos muito qualificados para as áreas da indústria, da tecnologia, do comércio, da educação, da saúde e da pesquisa avançada. Um sem-número de nossos alunos tornam-se inovadores e empreendedores, gerando empregos e riquezas para o Rio de Janeiro.

Todos sabemos que a criação de novas indústrias no Rio de Janeiro é um ambicioso projeto de nossos governantes. Como elas poderão se instalar e continuar a oferecer empregos, sem a geração da mão de obra necessária? Como produzirão renda, sem a capacidade instalada laboratorial necessária para gerar inovação? Como produziremos riqueza, sem o conhecimento?

Não há progresso sem educação! São senhores do tempo aqueles que elegem a educação como prioridade, ninguém mais duvida disso.

Foram tempos difíceis aqueles em que a educação não era considerada um direito. Árduos tempos em que se tenta a efetivação do direito à educação em todos os níveis.

Há anos, um enorme esforço tem sido exigido por nossa sociedade nesse sentido. O esforço de um batalhão de operários da educação, em todos os níveis, tem sido recompensado por instituições educacionais mais pujantes para abraçar os ideais de uma sociedade justa e fraterna.

Entretanto, a Uerj está sendo sucateada, numa absoluta falta de visão estratégica por parte dos governantes do nosso Estado, a quem incumbe o financiamento de uma universidade pública e inclusiva como a nossa.

Desprezar o ensino superior, a pós-graduação e a pesquisa é apostar na miséria, na violência e num futuro sem perspectivas positivas.

Forçar o fechamento da Uerj é não pensar no futuro de nosso estado e de nosso país.

A Uerj e o Estado são perenes, os governantes não.

Ruy Garcia Marques – Reitor

Maria Georgina Muniz Washington – Vice-reitora

Com o apoio de ex-reitores da Uerj: Ivo Barbieri, Hésio Cordeiro, Antonio Celso Alves Pereira, Nilcea Freire, Nival Nunes de Almeida, Ricardo Vieiralves de Castro

 

 


Leia também:

UERJ resiste

Nota da Reitoria da UFRJ em defesa da Uerj

SBPC e ABC pedem a governador do Rio atenção às universidades estaduais

Uerj: de referência ao sucateamento

 

 



Etiquetado como:



O laboratório da Coordenação Nacional da Rede INCT Observatório das Metrópoles está temporariamente fechado, por conta do incêndio ocorrido, no começo de outubro, no Prédio da Reitoria da UFRJ.

Pedimos que os contatos sejam realizados pelos seguintes e-mails:

Elizabeth Alves
beth@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos administrativos

Karol de Souza
karol@observatoriodasmetropoles.net

Assessoria de Comunicação

Breno Procópio
comunicacao@observatoriodasmetropoles.net

Assuntos Acadêmicos

Juciano Rodrigues
juciano@observatoriodasmetropoles.net