15 May
SIMPURB ⎮ Estado, grandes projetos e planejamento corporativo
Lido 1741 vezes | Publicado em Chamadas | Última modificação em 15-05-2017 18:27:19
 
tamanho do texto reduzir tamanho do texto aumentar tamanho do texto
Qualifique este item
(0 votos)

O Observatório das Metrópoles divulga a chamada para o XV Simpósio Nacional de Geografia Urbana (XV SIMPURB), que será realizado no período de 20 a 23 de novembro de 2017 na Universidade Federal da Bahia (UFBA). Os professores Renato Pequeno e Paulo Roberto Rodrigues Soares, do Observatório, estão coordenando o GT-12: Estado, grandes projetos e planejamento corporativo, também aberto para receber artigos de participação. O prazo para submissão de trabalhos vai até o dia 18 de junho de 2017.

XV SIMPURB

A partir das temáticas “Vinte anos de reflexão sobre o urbano” (Brasília 2009), “Ciência e Utopia: por uma Geografia do possível” (Belo Horizonte, 2011), “Ciência e ação política: por uma abordagem crítica” (Rio de Janeiro, 2013) e “Perspectivas e abordagens da Geografia Urbana no Século XXI” (Fortaleza, 2015), e inspirada nos debates ocorridos no âmbito desses eventos, a comissão organizadora propõe, para o SIMPURB 2017, a temática Sobre a cidade e o urbano, contribuição da Geografia: que teorias para este século?

Na mesa de abertura, intitulada “Para pensar a cidade e o urbano hoje: diálogo interdisciplinar no campo das ciências humanas e sociais”, espera-se tratar os diferentes modos como, a partir de diferentes campos disciplinares – Geografia, Arquitetura, Urbanismo, Economia e Sociologia – pode-se pensar a cidade, o urbano e a metrópole. A mesa-redonda de abertura buscará, sobretudo, fomentar e garantir o debate entre diferentes disciplinas para a compreensão dos conteúdos da urbanização no período contemporâneo.

A mesa de encerramento, intitulada “Que teorias para entender a cidade e o urbano neste século?” (Contribuição da Geografia), tem por objetivo explorar a contribuição da Geografia para pensar a cidade e o urbano no século XXI, buscando-se aprofundar a compreensão teórica sobre os conteúdos da urbanização, com foco nos caminhos que a Geografia Urbana percorre/percorreu para o confronto de linhas epistemológicas na produção de conhecimento de caráter prospectivo.

Todas as mesas-redondas acontecerão no Auditório da Reitoria da UFBA (sem atividades paralelas), pela manhã ou no final da tarde/início da noite e os Grupos de trabalho (GTs) nas tardes de segunda, terça e quarta na Faculdade de Direito da UFBA. Estão previstas também atividades culturais e lançamentos de livros, ao longo dos quatro dias do evento.

Os pressupostos definidores da temática do SIMPURB 2017 são os de que nos atuais cenários político e científico do país, e particularmente da Geografia, é muito importante e pertinente discutir qual a potência da análise geográfica para explicar os novos conteúdos da urbanização e o que é específico da/na Geografia para pensar os processos urbanos na contemporaneidade. A ideia é confrontar diferentes perspectivas/correntes teórico-metodológicas e analisar os processos em diferentes escalas de abordagem, tendo como pressuposto a noção de totalidade.

GT-12: Estado, grandes projetos e planejamento corporativo

Este Grupo de Trabalho tem como escopo debater a complexidade das relações entre o Estado e a constituição do “urbano” na contemporaneidade. Em tempos de globalização e tecnificação espacial em moto-contínuo, a produção do espaço urbano oferece um importante objeto analítico: a ação do Estado, em seus diferentes aportes institucionais e local-regionais, na atual reestruturação (sócio-) espacial das cidades, através dos diferentes ritmos de desenvolvimento técnico-produtivo, de políticas públicas multifocais [da questão da terra para habitação às exigências corporativas atuais de apropriação do espaço] e das resistências políticas a estas ações e processos de gentrificação.

Na atual financeirização ostensiva, o Estado adequa-se continuamente às mutações da realidade político-econômica, articulando sua forma neoliberal – ainda que a estética de um mercado autorregulatório não consiga ocultar a transmissão de dividendos e benefícios ao capital – com o fortalecimento de suas ações (mesmo que alicerçadas em parcerias público-privadas), que tem implicado em novos investimentos no urbano, através de grandes projetos em diversas esferas como habitação, logística produtiva e mobilidade urbana. Junto a isso, há também uma mudança na relação com o território, que extravasa o campo epistêmico-conceitual e atravessa a própria noção de poder, soberania, escala e identidade. Novos territórios e produtos imobiliários emergem a partir desta nova relação entre Estado, urbanização e capital corporativo.

A intenção desde Grupo de Trabalho é congregar pesquisadores que ofereçam estudos de diferentes realidades de gestão urbana a pensar as ações articuladas entre o Estado e o capital corporativo, que impõem aos usos e apropriação dos territórios a necessidade constante de readequação estrutural, envolvendo desde investimentos em logística, energia e mão de obra às atuais mudanças no tripé empresa-trabalho-moradia, em políticas urbanas de planejamento estratégico, com requalificação, revitalização e reordenamento das cidades. São bem-vindos trabalhos que coloquem em pauta o jogo político – o que implica na análise da conjugação entre interesses, projetos e ações –, e que conformem estratégias e práticas espaciais estabelecidas pelos grupos hegemônicos para a manutenção do poder e de resistência a esses processos.

Sem dúvidas, no horizonte deste Grupo de Trabalho emerge a intenção de se pensar o desenvolvimento, este meta-conceito que é processo, condição e fim, em diferentes escalas de tempo e espaço. A atual urbanização, marcada por meganegócios, empreendimentos corporativos, citymarketing e estratégias público-privadas desde a raiz, é resultado do modelo de desenvolvimento em curso, com matizes políticos, econômicos, sociais e espaciais que ainda requerem maior esclarecimento. Neste campo, entre ideologias e utopias, apontar possibilidades de governança democrática e gestão participativa torna-se uma exigência para todos aqueles que objetivam construir criticamente novas formas de produção do espaço urbano.

Grandes temas: 1. Empreendedorismo / Megaeventos; 2. Questão habitacional / Desenvolvimento social; 3. Arranjos institucionais / Gestão; 4. Financeirização / Planejamento Corporativo; 5. Grandes projetos urbanos

Coordenadores:

Renato Pequeno (UFC); Paulo Roberto Rodrigues Soares (UFRGS); Demian Garcia Castro (Colégio Pedro II).

Para maiores informações, acesse o site do XV SIMPURB.

 

 



Etiquetado como: